Domício da Gama recebe homenagem na Casa de Cultura

0
1901
Nascido em Ponta Negra, Domício da Gama foi jornalista, escritor e diplomata

Um dos mais ilustres filhos de Maricá foi homenageado nesta quarta-feira (27/10) na Casa de Cultura da cidade. No local, foi aberta uma exposição sobre Domício da Gama (1862-1925), natural de Ponta Negra, que se notabilizou como jornalista, escritor e diplomata. No mesmo espaço, foi reinaugurada a Academia de Ciências e Letras de Maricá, da qual o homenageado é patrono.

A solenidade foi aberta com um apresentação do coral da Melhor Idade de Maricá, que interpretou os hinos Nacional Brasileiro e o Oficial de Maricá, encerrando com a canção “O Morro Não Tem Vez” (de Tom Jobim e Vinícius de Moraes). Na exposição fotográfica, além do próprio Domício da Gama, há imagens da escola estadual e da rua do Centro da cidade que levam seu nome. As fotos da escola mostram cidadãos ilustres que foram alunos do então grupo escolar, como a historiadora Maria Penha (curadora da mostra) e o próprio secretário de Cultura de Maricá, Emanuel Vieira.

“Minha passagem pela escola foi curta, mas marcante”, relembrou o secretário, reiterando que o órgão fará outras homenagens a maricaenses que despontaram em diversos setores.

“Trata-se de um passado ilustre e que a cidade desconhece. Queremos promover esse resgate histórico”, afirmou ele. Durante sua explanação sobre Domício, na abertura da exposição, Emanuel Vieira fez um breve relato sobre a vida do maricaense e disse que sua história é um grande incentivo aos cidadãos desta terra.

“Cada maricaense pode ser um Domício da Gama e ganhar o mundo como ele ganhou”, disse o secretário, ao lembrar que ele se tornou, aos 20 anos, correspondente em Paris do jornal carioca Gazeta de Notícias e, pouco tempo depois, tornou-se embaixador do Brasil na Santa Sé, no Peru, nos Estados Unidos e na Inglaterra, culminando sua carreira diplomática como Ministro das Relações Exteriores do governo de Delfim Moreira. Foi um dos membros fundadores da Academia Brasileira de Letras, tendo ocupado a sua presidência em 1919.